Aparelhos Ortodônticos Não São Os Vilões

Aparelhos Ortodônticos Não São Os Vilões

Confira aqui no post que Aparelhos Ortodônticos não são os vilões. Saiba quando usar, como usar, o que pode e o que não pode fazer durante o tratamento.

Para muitas pessoas ter dentes tortos ou desalinhados compromete apenas a estética do sorriso. Só que não!

Além de serem difíceis de manter limpos, podem causar cáries e serem perdidos precocemente por conta da deterioração e da doença periodontal (uma doença infecta inflamatória que afeta a gengiva, o ligamento e osso). E mais, interferem seriamente no desenvolvimento dos maxilares, na mastigação, na sobrecarga da articulação e músculos da face, e desencadeia a síndrome de ATM (disfunção da articulação temporomandibular, responsável por mover a mandíbula para frente, para trás e para os lados) que pode causar dores no maxilar, dificuldade de mastigar e estalos ou travamentos das articulações da mandíbula; gastrite, prisão de ventre, dores de cabeça, ombros, costas e pescoço e até o comprometimento da fala.

Uma série de problemas que nem sempre associamos ao mau posicionamento dos dentes, não é mesmo?

QUAIS OS TIPOS DE APARELHOS ORTODÔNTICOS

Vamos simplificar, existem apenas dois tipos de aparelhos ortodônticos: o aparelho convencional fixo e o aparelho convencional móvel.

O que muda são os materiais empregados na confecção das estruturas desses aparelhos, por exemplo, pode-se encontrar:

– Aparelho convencional metálico, aparelho convencional de porcelana, aparelho convencional de safira, aparelho convencional Moretti, aparelho convencional estético e outras variações.

COMO É FEITO O TRATAMENTO ORTODÔNTICO

O tratamento consiste no uso regular do aparelho ortodôntico, seja ele fixo ou móvel (dentista e paciente decidem juntos o que melhor irá se adaptar) que são utilizados para ajudar a movimentar os dentes, retrair os músculos e alterar o crescimento mandibular, por meio de ligeira pressão colocando-os na posição correta.

Periodicamente se faz necessária a revisão para avaliar o progresso do tratamento e a manutenção, procedendo, assim, nova pressão se preciso. Esse processo para crianças e adolescentes é o mais difícil, porque a adaptação à nova carga de pressão normalmente é dolorida.

E o tempo de duração? Um tratamento ortodôntico normal, dura em média de 1 ano a 2 anos.  Esse tempo, no entanto, pode variar dependendo de fatores, como: a gravidade da má oclusão (encaixe das arcadas dentárias), idade do paciente, necessidade de extrair (arrancar) algum dente durante o tratamento, dentre outros.

No aparelho convencional fixo, de utilização mais comum, são usados bráquetes ou bandas. As bandas são fixadas em volta de vários dentes ou de um só, e utilizadas como âncoras para o aparelho; já os bráquetes são presos na parte externa do dente e servem de pontos de apoio para os fios, que são colocados nos espaços dos bráquetes e fixados com pequenos elásticos. Quando tracionados exercem pressão nos dentes.

Para quem não gosta de apresentar aquele famoso “sorriso metálico”, a boa notícia é que hoje em dia os aparelhos são mais leves, com bem menos metal e pode ser encontrado aparelhos convencionais coloridos ou transparentes.

Aparelho convencional fixo especial – utilizados para controlar o hábito de chupar o dedo ou a língua "presa", esses aparelhos ortodônticos são fixados aos dentes por bandas. Por serem muito desconfortáveis durante as refeições, devem ser utilizados apenas como um último recurso.

Aparelho convencional estético – podem ser feitos de porcelana ou safira. Ambos são mais discretos, pois os bráquetes têm a coloração bem próxima à cor natural dos dentes. A diferença é que a porcelana além de mais opaca, tem os bráquetes um pouco maiores e o de safira os bráquetes já são menores e a aparência mais translúcida, o que torna mais fácil adaptar às varias tonalidades dos dentes naturais.

Mantenedor de espaço fixo ou “espaçador” – se o dente de leite é perdido precocemente (por cárie, queda natural ou extração necessária) um protetor de espaço é utilizado para manter este espaço aberto até que o dente permanente nasça. Uma banda é cimentada ao dente próximo ao espaço vazio e um fio é estendido até o dente do outro lado do espaço. É feito sob medida e pode ser móvel ou fixo, como um aparelho ortodôntico.

Nos aparelhos convencionais móveis temos outras condições. Veja abaixo:

Aparelho convencional auto-ligado – Uma das grandes vantagens estéticas do aparelho auto-ligado é a ausência do uso das tradicionais “borrachinhas”. O fio do aparelho passa diretamente por dentro de canaletas e é preso pelas tampas do bráquete, dispensando o uso do acessório. Por não ter as borrachas, o aparelho é mais discreto e higiênico. O fio pode, ainda, ser de material translúcido, sendo desta forma mais atraente esteticamente. Outra vantagem é a redução do tempo de tratamento. Por ser mais moderno e mais eficiente, em grande parte dos casos, o tempo de uso é reduzido.

Niveladores – uma alternativa para o uso de aparelhos convencionais fixos para mover os dentes sem os fios de aço e os bráquetes. São invisíveis e removíveis de forma a tornar mais fácil e cômodo se alimentar, escovar os dentes e passar o fio dental.

Mantenedores de espaço móveis – têm a mesma função que os aparelhos convencionais fixos. São feitos com uma base acrílica que se encaixa sobre a mandíbula e têm braços de plástico ou arame, entre os dentes que devem ser mantidos separados.

Aparelhos reposicionadores de mandíbula ou talas – podem ser utilizados no maxilar superior ou mandíbula, e ajudam a "treinar" a mandíbula a fechar em uma posição mais favorável. Mais indicados para quem tem ATM – problemas na articulação temporomandibular.

Amortecedores de lábios e bochechas – são destinados a manter os lábios e bochechas afastadas dos dentes, por exercerem algum tipo de pressão.

Expansor palatino – uma placa de plástico que se encaixa sobre o céu da boca para alargar o arco da mandíbula superior. A pressão externa aplicada sobre a placa por meio de parafusos força as juntas dos ossos do palato a se abrirem para os lados.

Contentores móveis – utilizados no céu da boca, previnem que os dentes voltem à posição anterior. Podem também ser modificados e utilizados para evitar que a criança chupe o dedo.

Aparelho extra-bucal – indicado para pacientes ainda em fase de crescimento que apresentam excesso ou deficiência de crescimento da maxila. Este aparelho leva uma faixa que é colocada em volta da parte de trás da cabeça, e ligada a um elástico na frente, ou um arco facial. Ele retarda o crescimento da maxila e mantém os dentes posteriores onde estão, enquanto os dentes anteriores são empurrados para trás.

Aparelho extra-bucal – indicado para pacientes ainda em fase de crescimento que apresentam excesso ou deficiência de crescimento da maxila. Este aparelho leva uma faixa que é colocada em volta da parte de trás da cabeça, e ligada a um elástico na frente, ou um arco facial. Ele retarda o crescimento da maxila e mantém os dentes posteriores onde estão, enquanto os dentes anteriores são empurrados para trás.

HIGIENIZAÇÃO E CUIDADOS DURANTE O TRATAMENTO

A disciplina aqui é fundamental, porque a manutenção do tratamento, por parte do paciente, inclui higienização diária, completa e cuidadosa do aparelho ortodôntico para não comprometer a saúde dos dentes porque nos bráquetes, sempre ficam restinhos de comida que precisam ser removidos, até para evitar possíveis manchas no esmalte dos dentes. Portanto, mesmo que a escovação ao final de cada refeição seja uma tarefa chata, ela tem que acontecer. Pra quem usa e quem não usa também, claro! Na hora de escovar os dentes, o movimento indicado é o mesmo de quem não usa aparelho ortodôntico fixo. A escova deve ser posicionada em um ângulo de 45 graus com a face do dente e o movimento deve ser feito no sentido da gengiva para os dentes, ajudando assim a remover a placa bacteriana e manter a gengiva saudável.

A escova de dente precisa ser especial para essa higienização, normalmente com a cabeça menor ou com as cerdas em V, mais curtas no centro, para alcançar os bráquetes e a superfície dos dentes. Podem ser usadas também as especiais: a bitufo e interdental que é como uma espécie de agulha que se prende ao fio dental e facilita sua passagem pelos dentes, assim é possível passar entre dentes.

Os enxaguantes bucais com flúor também auxiliam na higienização e podem minimizar o aparecimento de manchas branco e cáries.

A mesma disciplina deve ser estendida para a guarda do aparelho móvel que deve ser feita numa caixinha própria, pois é muito comum a perda do aparelho, principalmente nas refeições fora de casa quando os aparelhos ortodônticos são embrulhados em guardanapos e deixados sobre a mesa. Conseqüentemente, alguns pacientes acabam abandonando o tratamento, pois fazer um novo resulta em custos adicionais. Resultado: o problema volta ou até se agrava.

É POSSÍVEL COMER QUALQUER ALIMENTO?

Pode comer de tudo desde que com cuidado. Aqueles alimentos mais durinhos como pipoca, gelo, frutas secas e comidas grudentas, como chicletes e balas tipo caramelo podem fazer parte do dia a dia, mas, somente se mastigadas com cuidado e em pequenas quantidades por vez. Alimentos com fibras como manga, brócolis ou milho, que deixam fiapos, tem de ter mais atenção na escovação.

FALANDO EM CUSTOS DE APARELHOS ORTODÔNTICOS

Na verdade, irá variar de acordo com o tratamento, porém, os aparelhos fixos (metálicos) são normalmente os de menor valor se comparados aos demais, variam de R$150 a R$250,00. Os de material transparente têm um custo diferenciado por conta do material empregado, os mais discreto, permeiam em torno de R$599 a R$999, e se quiser fazer um clareamento após o tratamento, isso também deverá influenciar no preço final de forma positiva. Você consegue fazer o tratamento completo com parcelas de R$99 a R$199 de acordo com o modelo de aparelho que escolher.

Como vimos cada um deles pode ter valores que diferem de acordo com o material dos bráquetes (metálico, safira, porcelana) e outras especificações do tratamento, mas, atualmente, por conta de novas tecnologias e avanços da ortodontia, os tratamentos estão mais acessíveis mantendo a qualidade.

BENEFÍCIOS COM O USO DO APARELHO ORTODÔNTICO

A confiança no especialista e a cooperação do paciente no uso constante e correto do seu aparelho ortodôntico resultam em um sorriso bonito, saúde bucal, movimentação perfeita da musculatura orofacial e dentição saudável sem desgastes precoces e sem dor.

Esse será, sem dúvida, o melhor investimento no seu sorriso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *